CEAG - Centro de Abastecimento de Guarulhos

Confira a origem e muitas curiosidades sobre o milho!

Confira a origem e muitas curiosidades sobre o milho!

A Origem do Milho

A espiga de milho mais antiga que se tem conhecimento foi descoberta em 6.000 ac. no vale do Tehuacan no México. Quando a América foi descoberta, o milho era o principal alimento para todas as civilizações, sendo cultivado desde do Canadá até o Chile. Em 1493, quando Colombo retornou à Europa, ele levou alguns grãos do até então cereal desconhecido. Cerca de 100 anos depois, comerciantes e navegadores distribuíram o cereal pelos cinco continentes.

Tipos de Milho

A importância do milho vai muito além do que geralmente conhecemos. Quando verdes, os grãos são utilizados para alimentação ao natural (a espiga), ou transformados em curau, canjica, pamonha e outros pratos. Já maduros, servem para a fabricação de fubá, matéria-prima de bolos, pães, broas, polenta e pratos salgados diversos.

Dos grãos de milho também se produzem industrialmente açúcar, óleo, álcool, até mesmo bebidas como o uísque bourbon e cerveja (os estigmas da espiga – chamados cabelo do milho – cozidos, substituem a cevada na fabricação da cerveja). Do caule pode-se produzir explosivos, plásticos, tecidos e borracha sintética entre outros.

Há mais de 200 variedades de milho o que dificulta bastante a classificação botânica. Porém, a classificação comercial mais comum é dividida em 5 tipos principais:

Milho Indentado (Zea mays indenata):

O milho indentado (ou dentado) é frequentemente utilizado como ração animal, em produtos industriais, ou para fazer alimentos processados. Milho dentado também é frequentemente referido como “campo” de milho. Branco ou amarelo, o núcleo do grão pode conter amido duro e macio que, ao amadurecerem, se retraem aparecendo uma depressão característica na parte superior do grão.

Milho Indurato ou duro (Zea mays indurata):

Também conhecido como milho-pedra, o milho duro contém muito pouco amido, o que faz com que os grãos, mesmo secos, sejam duros. Usado para fins similares aos do milho indentado, o milho duro é distinguido por uma casca dura exterior e núcleo com uma gama de cores do branco ao vermelho. No Brasil cultiva-se um milho duro branco da variedade cristal, usado para o fabrico de farinha. Hoje, mais milho duro é cultivado na América Central e América do Sul.

Milho Amiláceo (Zea mays amylacea):

Esse tipo de milho é utilizado em produtos assados ​​porque tem um amido muito mole e poroso, fácil de moer e triturar para ser transformado em farinha. O milho amiláceo é essencialmente branco, embora possa ser cultivado em outras cores, por exemplo, milho azul. Um dos mais antigos tipos de milho, o milho amiláceo era o tipo principal cultivado por nativos americanos.

Milho Doce (Zea saccharata ou Zea rugosa):

Com grande quantidade de açúcar, o milho doce tem sabor delicado e pode ser colhido ainda verde, em até noventa dias. Ao amadurecerem, os grãos adquirem aspecto translúcido e enrugado, pois o açúcar produzido pela planta se transforma em amido. O milho doce é principalmente comido na espiga, ou pode ser enlatados ou congelados para consumo futuro. É um milho extra doce, pois contém mais açúcares naturais do que outros tipos de milho (milho indentado contém 4% de açúcar no mesmo estágio em que o milho doce padrão contém 10% de açúcar.) Quase 50% do açúcar pode ser convertido em amido apenas 24 horas após o milho doce ser colhido, por isso o melhor é comê-lo fresco!

Milho Pipoca (Zea mays everta):

Milho pipoca, um tipo de milho duro, tem um centro de amido macio cercado por um escudo exterior muito duro. São grãos pequenos, amarelos ou brancos. Quando o grão de pipoca é aquecido a mistura natural dentro do núcleo se transforma em vapor, que acumula pressão suficiente até o núcleo explodir, deixando o amido branco para fora, tomando a forma da pipoca. Todos os tipos de grãos de milho explodirão à alguma temperatura, mas eles não terão necessariamente amido suficiente para ser explodido para fora, ou uma camada de fora que vai criar pressão suficiente para explodir. Uma das formas mais antigas de milho, há evidência do milho pipoca de 3600 AC que foi encontrado no Novo México.

Além dessas categorias, é frequentemente mencionada uma variedade cultivada principalmente na Índia, a Zea mays tunicata, cuja característica é ter cada grão envolto numa pequena túnica. Os antigos povos andinos e astecas preferiam uma variedade roxa de grãos pequenos e duros, de alto valor protéico. Também há o conhecido Milho bebê ou minimilho, que vem do milho doce ou indentado. Mais comum na culinária asiática.

Curiosidades sobre o milho:

Milho é uma palavra de origem indígena caribenha cujo significado é “sustento da vida”.

Assim como o trigo e o arroz, o milho é um vegetal da família das gramíneas.

O milho surgiu há cerca de 7.000 anos onde hoje é o México e a Guatemala. Ele é cultivado há 4.000 anos.

Você sabia que, até a descoberta da América por Cristóvão Colombo, o milho era praticamente desconhecido dos europeus (e, a bem dizer, do resto do mundo)?

O cabelo (ou barba) do milho serve para transportar os grãos de pólen que fecundarão so óvulos da espiga. Em resumo: o milho tem cabelo para se reproduzir.

O espaço entre o plantio e a colheita é de apenas 150 dias.

A maior cultura agrícola do mundo é a do milho – maior até que as dos popularíssimos trigo e arroz.

Os maiores produtores mundiais de milho são, pela ordem: Estados Unidos, China, Índia e Brasil.

Apenas 5% da produção brasileira é destina a humanos. A maior parte é usada como ração animal.

Sabia que nossas avós usavam o amido de milho para engomar roupas? E que a marca predileta era Maizena. Aliás…

Você sabia que a Maizena foi criada em 1840 e chegou ao Brasil em 1874? E que a caixinha amarela não mudou quase nada nos mais de 100 anos de história da Maizena?

No México, os indígenas extraíam uma espécie de mel dos grãos do milho.

O chá feito com os cabelos da espiga do milho é excelente para os rins.

Uma espiga de milho perfeita tem, em média, 800 grãos distribuídos em 16 linhas.

As tortillas mexicanas são feitas basicamente de milho. Os grãos são cozidos, triturados e amassados até formarem uma massa bem firme. Depois de modelada, é colocada sobre uma chapa quente para ser dourada. Uma vez prontas, as tortilhas podem ser servidas das mais diversas maneiras: frias, quentes, fritas ou tostadas.

Chamado no Brasil de Colheita Maldita, o filme de suspense Children of the Corn tem como vilão uma entidade demoníaca incorporada num milharal.

Os Estados Unidos são o maior produtor mundial de álcool combustível de milho – o etanol de milho.

Existem mais de 3.000 produtos feitos de milho. Anote aí: salgadinhos, óleo, margarina, cereais em flocos, sorvete, suco, uísque…

Uísque de milho? Sim, o uísque do tipo Bourbon contém de 50 a 80% de milho. A maior parte das destilarias de uísque Bourbon estão no estado norte-americano de Kentucky.

Muitos dos produtos típicos das festas juninas são feitos a partir do milho: bolo de fubá, canjica, curau, pamonha, pipoca, milho verde assado, milho verde cozido… Não existe festa junina sem milho. Ou existe? A safra de milho de 2018 vem com tudo, vamos aproveitar essa delícia!